quarta-feira, 18 de maio de 2011

O Desafio da Convivência Familiar

A família significa, ainda hoje, um núcleo central de aprendizagem afetiva e social, na qual se iniciam as primeiras vivências do ser humano. Porém, a organização dos grupos familiares se modifica continuamente no decorrer da história, possibilitando configurações diversas.

A família moderna, base da nossa forma de vida atual, começou a se configurar junto às idéias iluministas, em meados do século XVIII. No século XX, principalmente com a revolução dos valores nos anos 60, com o consumismo, as novas mídias e tecnologias, a família mais uma vez se transformou.

No mundo contemporâneo existem diversos modelos de agrupamento familiar: casais divorciados, famílias reconstituídas, mães provedoras que sozinhas gerenciam os filhos, uniões homoafetivas. A diversidade se anuncia, indicando que não há uma “família ideal”, mas há a “família possível” para cada grupo e cada indivíduo que a constitui.

Viver em grupos, necessidade básica de sobrevivência de todos os seres humanos, impõe grandes desafios cotidianos relacionados à comunicação, à individualidade, à frustração, a diferenças e a valores. Na família, todas essas questões estão presentes de maneira intensa, visto que a intimidade entre as pessoas é maior do que em outros grupos.

Os papéis familiares de pai, mãe, filhos, esposa, marido - e outros tantos possíveis -, desenvolvem-se inevitavelmente atravessados por tensões, emoções, sentimentos e atitudes que nem sempre se esclarecem. A convivência diária em geral é difícil, delicada, exigindo negociação permanente, criatividade, disponibilidade e reflexão.

Alguém desiste? Poucos são os indivíduos que vivem sozinhos, embora o número esteja crescendo. Pelo que se sabe, apesar dos problemas, precisamos e apreciamos o contato uns com os outros, com prazer e afeição que dispensam explicações.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Poeta encantado

Para fazer frente ao consumo, somente a reflexão e a arte.
É Manoel de Barros quem escreve, em seu livro O Guardador de Águas:

"Uma chuva é íntima
Se o homem a vê de uma parede umedecida de moscas;
Se aparecem besouros nas folhagens;
Se as lagartixas se fixam nos espelhos;
Se as cigarras se perdem de amor pelas árvores;
E o escuro se umedeça em nosso corpo."

Nas palavras deste poeta encantado, nunca deixamos de ser crianças felizes na natureza. Ainda somos?