quarta-feira, 30 de maio de 2012

Exposição

SARAU LITERÁRIO PIRACICABANO


apresenta a exposição
dos poemas trabalhados artisticamente por

Carmelina de Toledo Pizza

Mulher: a dualidade do Amor


Abertura: 01/06, sexta-feira, 19:30h

Local: Recriando Vínculos Psicoterapia


quarta-feira, 23 de maio de 2012

Psicodrama: contribuições grupais

Contribuir para a reflexão de um grupo acerca de temas que possam ser interessantes e relevantes socialmente é um dos objetivos do Psicodrama. Enquanto prática e teoria acerca das relações humanas, o Psicodrama é uma proposta de investigação interpessoal, que focaliza valores, expectativas, sentimentos e atitudes de um determinado grupo.

Através da criação de um espaço lúdico e acolhedor, no qual as pessoas se comunicam e se expressam com mais liberdade, é possível discutir questões polêmicas, que a todos incomodam, como por exemplo, o preconceito.

Em geral temos a tendência de pensar no preconceito, seja ele qual for, como algo que é do outro, que está fora de nós, localizável à distância. Não reconhecemos que a dificuldade de lidar com as diferenças situa-se entre nós, e também em nós mesmos, pois assim fomos educados: na não aceitação de tudo o que possa dizer daquilo que não somos.

E aquilo que não somos, infelizmente, pode tornar-se alvo de frustrações, ressentimentos e ódio, perpetuando sistemas fascistas de poder. Não é de outra maneira que acompanhamos, diariamente, no mundo todo, notícias sobre ataques a casais homossexuais, a pessoas negras, doentes mentais, moradores de rua, refugiados ou qualquer outra condição que revele... o que? nossa própria fragilidade e vulnerabilidade? nossa desigualdade social permanente? nosso medo? nossa loucura?

Seria muito produtivo se conseguíssemos inverter os papéis, ou seja, se experimentássemos um pouco o lugar do outro, a vida das pessoas que percebemos como diferentes de nós. Como olharíamos o mundo deste ponto de vista? O que sentiríamos?

Esta experiência de possíveis transformações são desenvolvidas no palco psicodramático: nele buscamos o outro para, quem sabe, encontrarmos a nós mesmos e, assim, tornarmo-nos humanos. Pois não é disto que somos feitos, de humanidade???

domingo, 20 de maio de 2012

Semana Mundial do Brincar

A Aliança pela Infância, junto ao Projeto Criança e Consumo, do Instituto Alana, divulgam e participam da 3ª Semana Mundial do Brincar, que começa neste domingo,
dia 20 de maio.

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Raul Seixas: um homem, uma história

Assistir ao documentário Raul Seixas: O Início, O Fim e O Meio é uma aventura fascinante. Dirigido por Walter Carvalho e Evaldo Mocarzel ( 2012 ), o filme nos propicia um passeio pelas décadas anteriores do Brasil, resgatando a história e as emoções de uma época.

Raul Seixas, também Raulzito, foi um dos símbolos da geração anos 70. Através de sua poesia musical, mergulhamos em universos particulares de nós mesmos e acompanhamos a manifestação de diversos anseios da sociedade, presentes ainda hoje. No documentário, além de sua música, somos também convidados a conhecer uma história de vida trágica, que nos comove e nos alucina, nos encanta e nos afasta simultaneamente.

Imaginamos, com freqüência, que é maravilhoso tornar-se uma celebridade, mas o que ignoramos, também com freqüência, é o alto custo dessa escolha, ou desse acaso. Ser famoso, na sociedade moderna, muito empobrecida no que diz respeito às relações humanas, implica em aceitar, consciente ou inconscientemente, viver um personagem, transformando a própria vida, muitas vezes, na vida do personagem, o que pode significar a morte. 

O delírio das platéias está no personagem, sempre, nunca na pessoa que o apresenta. Esta é humana, sofre, erra, acerta, ama, odeia. O personagem não: nele há algo de heróico, mítico, sobre-humano, irresistivelmente fora de qualquer alcance ou julgamento. O que o documentário nos oferece, neste sentido, é a possibilidade de vislumbrar Raul Seixas para além do seu personagem: assim como todos nós, apenas um ser humano.