sexta-feira, 7 de abril de 2017

Erotização Precoce x Educação Sexual




Esta é uma Campanha da Sociedade de Psicólogos e Conselhos Tutelares: #CriançaNãoNamora. Tem por objetivo conscientizar pais e responsáveis sobre os relacionamentos infantis. 
"A relação entre as crianças tem um nome: Amizade. Insistir em namoro na infância é adultizar as crianças e incentivar a erotização precoce. Criança tem que ser criança. Infância precisa de proteção."

Em função desta campanha tão adequada e propícia, torna-se indispensável fazer alguns esclarecimentos acerca das diferenças entre erotização precoce e educação sexual. É frequente a confusão sobre o assunto.

A educação sexual consiste em um processo de formação e informação sobre a sexualidade, o corpo, o gênero e a diversidade das relações humanas, tanto do ponto de vista biológico quanto psicossocial. Deve ser realizada durante toda nossa vida, mas especialmente na infância e na adolescência, de maneira apropriada a cada fase de desenvolvimento. 
Há muitas maneiras de realizar este processo: formalmente e informalmente, na família e na escola, através do diálogo, das discussões e da convivência diária.
Na verdade, a educação sexual, ao contrário do que muitos adultos pensam, protege as crianças e os jovens, na medida em que proporciona a eles mais recursos e conhecimento para lidar com situações que envolvem o próprio corpo, incluindo a questão do erotismo precoce.

A erotização precoce é um grave problema da nossa sociedade. Trata-se de um conjunto de estímulos que são impostos às crianças inadequadamente, expondo-as a sensações e sentimentos com os quais não é possível lidar de forma saudável.
Esses estímulos agem no nível do sensível e da inconsciência, não do racional. Participam ativamente da formação da identidade dos infantes. Por isso é que a educação sexual tornou-se tão importante, já que através dela podemos contestar e debater a erotização, prevenindo inclusive a gravidez na adolescência.
Nos programas e nas propagandas da tv e da internet, nas festas infantis, no comércio de roupas, calçados e brinquedos, na própria escola e na família existem situações constantes a promover o erotismo exacerbado, principalmente das meninas, mas também dos meninos. 

Fiquemos atentos, é nossa função como educadores, pais e adultos cuidar da geração posterior, que nos sucederá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário