sexta-feira, 29 de maio de 2015

O Sal da Terra: arte e redenção



Assistir ao filme documentário O Sal da Terra (2014), dirigido por Win Wenders e Juliano Salgado, é uma daquelas experiências inesquecíveis para a sensibilidade humana. Dizer que o filme tem uma belíssima fotografia e aborda a trajetória do artista brasileiro Sebastião Salgado é muito pouco. Trata-se de um filme sobre todos nós, enquanto seres humanos capazes de destruição e redenção ao mesmo tempo.

Se alguém ainda tem dúvidas a respeito do que alguns estudiosos têm chamado de "campos de concentração a céu aberto", pós segunda guerra mundial, basta acompanhar Sebastião Salgado pela Etiópia, na década de 80, ou pelas minas de petróleo na guerra entre Iraque e Kuwait. Embora pareça ficção, as imagens são flashes da realidade que o fotógrafo de fato viveu.

Poderíamos acrescentar muitas outras imagens do século XXI, que configuram a crueldade humana. Mas não me animo nessa empreitada, posto o cansaço e a saturação desse espetáculo de horror que vemos todos os dias pelas telas ou ao nosso lado, em nosso próprio meio ou nossa cidade.

Apesar disso, é importante lembrar que há uma grande diferença entre O Sal da Terra e a internet ou a televisão. No filme há humanidade, poesia e verdade; há um narrador protagonista absolutamente comovido com a miséria humana, tentando documentá-la para que o mundo se sensibilize e faça algo. “Não é possível que as coisas sejam assim”, pensamos nós que estamos assistindo. “Como podem tantas pessoas ainda morrerem de fome no mundo? Para que serve uma guerra, será que é pra exterminar povos, além da disputa pelo poder?” Ficamos incomodados com nosso próprio conforto diário, nossa comodidade. Entendemos que o bem-estar conquistado pela modernidade não é para todos.

Já na mídia espetacular que divulga violência e guerra há outro interesse: propiciar que naturalizemos os acontecimentos, que nos tornemos indiferentes. E indiferença é exatamente a única impossibilidade deste grande filme. Penso eu que nem o mais insensível dos seres humanos possa sair do cinema sem ser tocado. Se isto ocorrer, desconheço a causa (quem sabe psicopatia?).

Se a arte tem uma função social e existencial, podemos afirmar que o documentário e o trabalho de Sebastião Salgado se realiza dentro desta perspectiva, incluindo ele mesmo como pessoa e personagem da tragédia humana. Como suportar ver tanta dor, tanta morte e destruição? É possível não ser aniquilado pela guerra?

Para quem sobrevive, a redenção acena no horizonte. O artista é sua própria arte e com ela se recria, se refunda, se concebe em outro ser. Somos então conduzidos, pelo experiente diretor alemão Win Wenders, às origens do mundo e da história pessoal de Sebastião Salgado. Não há resgate, aqueles que morreram não voltarão. Mas a Terra e a humanidade, pelo menos por enquanto, são maiores do que isso e suportam a morte através da criação. Para mim, mesmo que seja apenas um consolo, este foi o brilho principal do filme, junto às lágrimas tristes que me convulsionaram os olhos por algum tempo. 

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Abraço e Poesia


22 de Maio, dia do abraço!
Um abraço que possibilita:


quinta-feira, 21 de maio de 2015

Semana Mundial do Brincar


Acompanhe a programação da Semana Mundial do Brincar 2015, de 24 a 30 de Maio. 
Um movimento pela vida e pelo ser humano.


Durante a Semana, será lançado o filme documentário Território do Brincar, 
em parceria com o Instituto Alana - http://alana.org.br/
O filme apresenta a diversidade do brincar em todo o Brasil, de norte a sul,
estimulando o resgate desta potencialidade tão esquecida nos tempos modernos.




domingo, 10 de maio de 2015

Dia das Mães com poesia!

No dia das mães, uma homenagem aos filhos, pois é com eles que aprendemos a ser mães!

Um trecho do poema Estrelas, de Maiakóvski.



terça-feira, 5 de maio de 2015

Depressão: uma experiência de vida compartilhada



Andrew Solomon é autor de dois livros muito interessantes e reconhecidos: O Demônio do Meio Dia - Uma Anatomia da Depressão e Longe da Árvore - Pais, Filhos e a Busca da Identidade. Nesta palestra ele explora sua experiência com a depressão, descrita pormenorizadamente no primeiro livro mencionado. 
Além da palestra, fica a indicação de leitura deste livro fantástico e completo, escrito em uma linguagem acessível para todos os públicos: O Demônio do Meio Dia, Companhia das Letras.