quinta-feira, 9 de abril de 2015

Existe Vida além do Câncer



Uma doença tão terrível como o câncer merece nossa consideração. Por isso, registro o poema desta poetisa amiga, que compartilha sua própria experiência.

A ela dedico todo carinho, bem como às outras pessoas que vivem a mesma dor. 
Ao meu pai, que já morreu após tanta luta.




Por Ana Marly de Oliveira Jacobino

Celebração da Ressurreição de Cristo veio com um profundo refletir sobre este companheiro do mal que carrego há mais de 30 anos junto ao meu corpo. O Câncer é uma doença silenciosa! O trauma provocado pela doença na vida avoluma com o tempo, se não quisermos reverter essa situação!

Alegria, fé, garra devem ser companheiras de quem pretende continuar vivendo, assim, o faço, depois de descobrir um câncer no meu corpo.
A experiência vivificadora de completar o tratamento traumático da quimioterapia no pico mais alto de uma montanha russa espacial na Disney Word pode ajudar você, como me ajudou! Assustador mergulhar na escuridão ouvindo os gritos dos desconhecidos ao seu lado. Sair da escuridão para entrar em túneis iluminados em alta velocidade é realmente uma dose maciça de “quimioterapia” de aventura e emoção.
O que pensar de alguém diagnosticada com três meses de vida nesta louca aventura?

Viver um dia por vez com disposição para vencer é a chave para ir burlando a doença... Sem que ela perceba, é claro!
Uma querida amiga sugeriu-me escrever sobre as minhas vivências nestes 34 anos empenhados em não esmorecer a cada diagnóstico do retorno do Câncer, estendendo as cirurgias e tratamentos doloridos, então, hoje neste dia 8 de abril, “Dia Mundial de Combate ao Câncer” resolvi fazê-lo, após, saber da perda de uma Amiga, que conheci, curti por uma rede virtual.

Pelo Facebook comentei as postagens dos seus belos passeios por terras lusitanas, também, enviei palavras de conforto na hora de uma dor traumática na perda do seu filho amado...
Amigas Virtuais! Amigas na extensão plena da palavra “Amor e dor”. Tristeza muita tristeza carrego enquanto escrevo. Não tenho palavras, pois, passo pelo processo do retorno da doença e estou numa luta aguerrida para continuar sem esmorecer.

Perdi várias “Amigas” para o Câncer, todas acompanhei bem de pertinho, e, com cada uma delas, se foi uma porção da minha alegria! Vou continuar aqui, lutando minhas “Amigas”, por vocês: Marisa, Marlene, Raquel e Veras..., como, tantas outras pessoas em tratamentos, partilham força e determinação neste caminho tão espinhoso de uma luta contra um Câncer!

Vai em paz, Amiga, curtindo o brilho das estrelas. Vai fazer castelos com o pó iluminado de uma explosão solar. Vai fazer tranças na calda de um cometa. Vai jogar sorrisos para a Lua para ela aspergir a Terra com sua alegria, querida Vera!
Vou continuar sorrindo como você, também, o fazia tão bem! Sorrir de tudo, com tudo e para tudo, desta maneira, heroicamente, carregamos a vida tendo a convicção da sua plenitude, aqui mesmo, neste solo fértil de vivências, marcado por experiências únicas, sabendo que: existe vida além do Câncer!

Um comentário:

  1. Agradeço a publicação desta crônica um pedacinho da minha longa luta contra o câncer. Luta de quase uma vida inteira. Não ouso esmorecer, pois a doença não permite isto. Ana Marly de Oliveira Jacobino

    ResponderExcluir