quinta-feira, 30 de outubro de 2014

A insanidade e incivilidade do ódio

Posso estar enganada, mas tenho percebido que todas as pessoas que têm o mínimo de bom senso estão assustadas com o nível de ódio que os brasileiros estão demonstrando nas redes sociais e no trato cotidiano com seus pares, especialmente se estes forem diferentes do esperado. Caso o parente tenha votado em um candidato que não é o escolhido pela família, caso o colega de trabalho pense de maneira distinta dos outros ou seja nordestino, encontra-se em posição de vulnerabilidade a insultos de toda a ordem. Ou seja, apenas por não se encaixar em um determinado padrão de pensamento ou de origem étnico geográfica, digamos assim, uma pessoa pode ser ofendida e literalmente xingada nas timelines da internet ou no supermercado da esquina.

Por esse motivo, eu, que há dois anos participava do facebook, já não participo mais (a não ser pela Clínica Recriando Vínculos Psicoterapia). Ouço relatos sobre as outras redes sociais, que parecem estar ainda mais odiosas, contaminadas por discursos racistas e xenófobos proferidos pelos pseudo jornalistas de plantão, que lucram com a guerra diária de um povo como o nosso. Entendo que, neste momento histórico tão delicado, a mídia é, de fato, a grande responsável por produzir estas situações de incivilidade social.

Não quero dizer que o ódio seja inumano, que as revistas e os jornais do país estejam fabricando os sentimentos das pessoas.  Não se trata disso. Nós, seres humanos, somos excelências em odiar. É do ódio que criamos guerras, que matamos uns aos outros, que nos violentamos todos os dias, que aprisionamos os animais, que desprezamos os mais fracos.

Sabemos que o ódio faz parte do espectro de emoções de toda pessoa, assim como o amor. Uma mãe pode odiar seu filho, um aluno sua professora e vice versa. Os casais muitas vezes vivem uma relação de ódio, mais do que de ternura, e a tragédia se anuncia quando o tal ódio torna-se a tônica de um casamento ou a inspiração para as atitudes de uma nação. Exemplos não faltam, creio não ser necessário citar a primeira e a segunda guerra mundiais, frutos de disputas territoriais e da xenofobia em relação ao povo judeu e a muitos outros povos. Infelizmente, o ódio é uma das marcas da nossa humanidade, desde seus primórdios.

Acreditávamos que, na medida em que nos tornássemos seres civilizados, poderíamos aprender a lidar melhor com o ódio, de modo a nos destruirmos menos. Não foi o que se viu no século XX, não é isso que estamos vendo agora.

Com grande contribuição de uma boa parcela da mídia, que estimula o ódio nos cidadãos, estamos adoecendo. Porque para mim, sinceramente, a intensidade deste ódio já está no limite da sanidade possível de um ser humano. Em algum momento dos últimos dias, lendo frases e comentários absurdos na internet, imaginei que estamos todos fazendo parte de um enorme sanatório, povoado de loucos que ficam gritando, sem conseguir qualquer comunicação um com o outro. Por isso acho necessário parar e refletir, olhar “de fora” as situações nas quais as pessoas (ou nós mesmos) gritam, xingam e brigam. Tenho certeza que, se fizermos isso, sentiremos vergonha, posto que já tivemos alguma experiência de civilidade, de convivência e educação decentes. Além disso, nunca é demais retomar a leitura dos filósofos que nos ajudam a pensar a modernidade, como Walter Benjamin, Hannah Arendt e Michel Foucault.

5 comentários:

  1. Parabéns!! Reconfortante ler o seu texto nesses dias insanos... abraço!!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, Andrea
    Parabéns, conseguiu expressar muito bem.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom Andrea. Retratou o que vivemos nesses dias de eleições. Estamos muito longe, digamos, somos primitivos em termos de civilidade. Parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Realmente paramos pouco para observar a loucura que estamos vivendo, como um grande sanatório. Boa análise!

    ResponderExcluir
  5. Querida amiga

    Penso que vivemos
    em uma sociedade doente.
    Doente da falta de amor...
    Doente da falta de afeto...
    Então a maldade
    toma de conta,
    e as cores da violência,
    se fazem plenas,
    do jogo de futebol
    as pregações religiosas,
    das salas de aula
    as mídias sociais...

    ____________________________________

    Fotografe a alegria e a revele
    na máquina digital do seu coração...

    ResponderExcluir