segunda-feira, 17 de março de 2014

Sexualidade Infantil - Orientação


Essas são considerações que objetivam responder algumas dúvidas de pais e educadores.

AS PERGUNTAS DAS CRIANÇAS

  · A curiosidade sexual infantil é absolutamente natural e faz parte do interesse da criança por seu próprio corpo e pelas coisas do mundo: uma criança saudável pergunta sobre tudo, pode achar graça em qualquer coisa e em geral gosta muito de aprender.
  · Com 3 ou 4 anos as crianças começam a ficar curiosas sobre o próprio corpo: percebem as diferenças entre os sexos e fazem perguntas que podem nos deixar constrangidos.
   ·   Ao responder as perguntas das crianças sobre sexualidade estamos lhes oferecendo segurança e carinho, diminuindo assim a angústia que sentem com aquilo que ainda não conhecem e não compreendem.
  · Não é preciso fazer discursos para orientar adequadamente uma criança: o que importa na educação sexual é o acolhimento, a afetividade, o modelo dos pais, o carinho que têm entre si, a forma como se falam e se comunicam.
  · Desde pequenina a criança possui certa intuição sobre o sexo: é como se “soubesse de tudo” sem saber exatamente de nada... Responder às suas curiosidades com bom senso, amor e respeito, paulatinamente, no dia-a-dia da convivência é o caminho mais recomendado.

AS BRINCADEIRAS SEXUAIS
·   Muitos pais ficam assustados ao observar algumas brincadeiras sexuais que os filhos fazem: tocar o próprio genital ou o do colega, exibir o sexo para os amigos, espiar a nudez de outras pessoas. Dependendo da idade da criança e do tipo da brincadeira, a preocupação dos pais pode proceder ou não. Uma criança pequena que manipula o próprio sexo, por exemplo, está desenvolvendo uma atitude saudável e não deve ser censurada, tampouco estimulada continuamente.
·   As brincadeiras sexuais infantis sempre existiram, mas em cada época elas se manifestam de formas diferentes. Atualmente as crianças gostam muito de imitar o que veem na TV e nos sites da Internet, mesmo que ainda não compreendam o que se passa. Outras brincadeiras, no entanto, aprendidas e desenvolvidas no contato entre as próprias crianças, são mais criativas e interessantes (brincar de casinha, de médico e de cavalinho, por exemplo).
· Uma brincadeira sexual entre crianças é saudável quando é motivada pela curiosidade e possibilita a descoberta do próprio corpo, sem oferecer riscos ou ameaças que geram constrangimentos e exposição da criança.
·   Entre crianças e adultos e crianças de faixa etária diferente não deve haver brincadeira sexual. 

A RESPONSABILIDADE DOS PAIS
·   A educação sexual da criança é algo que compete aos pais em primeiro lugar: é preciso orientar os filhos, através do próprio exemplo, sobre como desenvolver atitudes positivas e responsáveis em relação à sexualidade.
·   A sexualidade faz parte da intimidade, portanto é o exercício da intimidade dos pais que ensina a criança a ter respeito por si mesma e pelos outros.
·   Evitar a exposição excessiva das crianças à programas de TV e Internet, com apelo sexual, é uma responsabilidade de todos os pais, pois protege os filhos de estímulos eróticos que podem comprometer o desenvolvimento infantil saudável.


Um comentário:

  1. Querida amiga

    As vezes o sexo nos soa
    ora como tabú,
    ora como permissividade.

    Quando entendemos a sua real verdade,
    aprendemos a dar ao sexo
    o seu caráter sagrado,
    peculiar ao humano
    e necessário a sua plena felicidade.

    Palavras que ensinam,
    são par mim,
    sempre valiosas.

    Ser feliz é fazer a vida de alguém
    intensamente feliz.

    ResponderExcluir