domingo, 29 de setembro de 2013

Palestra

Recriando Vínculos Psicoterapia
Ciclo de Palestras para pais e educadores

Desafios da Convivência Familiar:
amor e conflito entre pais e filhos

03 de Outubro - 5ªfeira - 19:30 horas

Andrea R. Martins Corrêa
Psicóloga e Psicoterapeuta de famílias e crianças
CRP 06/45353-9

Vagas limitadas
Telefones: 3371-9731 ou 9153-4083

Endereço: Rua Aquilino Pacheco, 1517 – Bairro Alto/ Piracicaba


sexta-feira, 6 de setembro de 2013

A insanidade do poder: por um novo 7 de Setembro


As práticas de poder do ser humano remontam séculos, bem sabemos. De uma ou de outra maneira, parece ser marca registrada de nossa espécie usar e abusar de ações que visam dominar o outro, seja este quem for, igual, diferente, racional, irracional. A ciência moderna e os filósofos da Antiguidade sempre buscaram explicar as razões para esta necessidade tão imperiosa que faz parte de todos nós, que por vezes nos consome e nos destrói.

Michel Foucault, um dos grandes pensadores franceses do século XX, produziu uma vasta obra sobre o assunto, discutindo o poder nas instituições, na sexualidade, na ciência e nas relações. Para ele, todas as nossas relações são relações de poder e as possíveis alternativas de desenvolvimento civilizatório situam-se dentro do próprio jogo de poder, no qual ocupamos os dois papéis, dominadores e dominados.

Citar este importante autor, ainda que de forma grosseira, tem o objetivo de fazer compreender que a discussão sobre o poder não exclui ninguém, muito pelo contrário, insere a todos. Se nos assustamos com os excessos dos políticos em seus confortáveis gabinetes, precisamos nos perguntar o que estamos fazendo em relação a isso. E parece que uma parte da população brasileira começou a fazer esta pergunta de forma mais contundente, embora há muito tempo diversos grupos vêm questionando abusos frequentes por parte de certas instituições e figuras públicas. 

É previsível que o nível de tensão aumente quando um determinado jogo de poder é colocado à prova, quando o grupo menos privilegiado, por exemplo, exercita formas de resistência ativa e direta em relação ao grupo mais privilegiado. Isto ocorre tanto nas relações entre os cidadãos e os políticos como entre pais e filhos, alunos e professores, amantes e casais. Com frequência é difícil identificar quem ocupa esta ou aquela posição, pois a trama do poder envolve muitos autores e muitas artimanhas, confusas, provisórias, em permanente movimento. 

Neste momento singular da história do Brasil, que construímos o tempo todo mesmo sem perceber, estamos confrontando os políticos em seus constantes desvarios com o dinheiro público, com o favorecimento ilegal a empresas privadas e com a imoralidade. O confronto gera reações que vão desde o escárnio até as ameaças intimidadoras que se utilizam dos aparelhos repressivos da sociedade, tal como a polícia.

Pois bem, o poder toma ares de insanidade, a meu ver, quando não negocia novas trajetórias para os atores envolvidos, mantendo a prepotência típica dos ditadores que aos montes se fazem de bonzinhos pelo mundo. Encarnado nas entranhas destes que se arrogam direitos que não possuem, o poder não enxerga, não ouve, não fala a língua do outro e assim, cria ainda mais tensão, mais resistência. Vale lembrar que em muitas situações este poder arrogante também somos nós mesmos.

Apesar da dor, do medo e do cansaço, não desanimemos nesta data festiva e indignada do 7 de setembro. Para além das manifestações, olhemos nos olhos uns dos outros e continuemos a tarefa de tentar criar outras relações, com poderes, para todos!