sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Homossexualidade: retrocesso na Câmara

Vivemos um momento curioso - ou nem tanto assim, segundo alguns historiadores - de retrocesso nas conquistas da humanidade. No que diz respeito às liberdades individuais e à luta contra o preconceito, compreendemos que muitos avanços já foram realizados.

Há cerca de 20 anos, por exemplo, a OMS ( Organização Mundial da Saúde ) excluiu a homossexualidade de seu manual de classificação de doenças mentais. Isso significa uma grande abertura para conceber e aceitar a sexualidade em suas mais variadas expressões, orientações e diversidade. Homossexualidade, portanto, não implica "homossexualismo", pois o sufixo "ismo" caracteriza uma doença. 

Embora digna de registro, esta grande mudança nos parâmetros da medicina e da ciência não foi suficiente  para eliminar o preconceito social, obviamente. Tanto que, na nossa conjuntura brasileira, um grupo de deputados ultra conservadores busca, na Câmara, através de um decreto, sustar resolução do Conselho Federal de Psicologia, que desautoriza psicólogos a tentarem "curar" a homossexualidade. 

Não existe cura para algo que não é considerado doença. Os Conselhos de Psicologia, responsáveis pela  legislação e fiscalização da atuação profissional do psicólogo, não permitem o atendimento psicológico voltado para a mudança da orientação sexual de uma pessoa, até porque isso é um engodo, posto que situa-se no terreno do impossível. 

O desejo de amar e se relacionar sexualmente com alguém, seja de outro sexo ou do mesmo sexo, não é uma "opção sexual", conforme se afirmava antigamente. Trata-se, de outro modo, da orientação sexual de cada sujeito, individualmente e inexplicavelmente. Apenas isso.

Pautar novamente a heterossexualidade como norma de atuação no campo da psicologia, permitindo a farsa de que é possível transformar uma pessoa homossexual em heterossexual, caracteriza-se como um desrespeito para com todos aqueles que buscam atendimento. Lamentável uma discussão tão antiquada, promovendo o preconceito que ainda vigora e o retrocesso de posições já conquistadas.



quarta-feira, 14 de novembro de 2012

O Deus da Carnificina

Filme de Polanski, um renomado e polêmico diretor polonês, O Deus da Carnificina provoca riso e questionamento em seus espectadores.

Trata-se de uma película leve e engraçada, enfocando dois casais que tentam, civilizadamente, fazer um acordo a respeito da briga violenta entre seus filhos, ou melhor, do golpe que quebrou os dentes e fraturou a arcada dentária de uma das crianças, desferido pela outra. 

Só há uma cena das crianças: a primeira, que abre o filme, belíssima, na qual vemos, à distância, uma praça  habitada por elas, em grupos, inicialmente brincando. Todo o filme, após essa cena, é uma perversa discussão no apartamento do menino agredido.

Podemos acompanhar e identificar, como em um espelho, nossa própria hipocrisia sendo revelada neste  interessante drama cômico, que expõe as fraturas de uma sociedade buscando-se civilizada. Nem tanto assim... vamos percebendo.

Em uma época como a nossa, em que a infância vem sendo exterminada pelo próprio mundo adulto, o filme faz pensar. A maneira como as crianças resolvem seus problemas, na primeira cena, seria a mesma maneira com que nós resolvemos os nossos, com agressão e violência, embora tentemos disfarçar, dissimular e mentir? Primamos pela estratégia e sutileza, mas será que cultivamos pequenas violências veladas, cotidianamente, em nós mesmos e nas pessoas com quem convivemos?

Pois bem, o filme merece nosso olhar, principalmente se nos dispusermos a vê-lo não apenas como entretenimento.

Trailler: http://www.youtube.com/watch?v=x1A-jBvjSLw


sábado, 10 de novembro de 2012

Medicalização infantil: uma importante discussão


MEDICALIZAÇÃO DA VIDA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O MITO DA CIÊNCIA


INFORMAÇÕES GERAIS
Data: 21 de Novembro de 2012
Local: Auditório do Centro de Convenções da Unicamp

ORGANIZAÇÃO
Departamento de  Pediatria / Faculdade de Ciências Médicas UNICAMP
CIPED - Centro de Investigações em Pediatria UNICAMP
Conselho Regional de Psicologia de São Paulo
Fórum sobre Medicalização da Educação e da Sociedade
Profa Dra Maria Aparecida Affonso Moysés – Professora Titular de Pediatria, Unicamp / Fórum Sobre Medicalização da Educação e da Sociedade


PROGRAMA
08h30 - Credenciamento
9h00 – Abertura
Profa Dra Carmem Zink Bolonhini - CGU/Reitoria / Unicamp
Profa Dra Maria Ângela Reis Antonio - Coordenadora da Pediatria Social, Depto Pediatria, Faculdade de Ciências Medicas Unicamp
Profa Dra Maria da Piedade Romeiro de Araújo Melo – CRP-SP
Prof. Dr. José Dirceu Ribeiro – Prof. Associado Pediatria, Unicamp / Coordenador Associado do CIPED
Prof. Dr. Gabriel Hessel – Coordenador do Departamento de Pediatria / Unicamp
Profa Dra Maria Aparecida Affonso Moysés -  Professora Titular de Pediatria, Unicamp / Fórum Sobre Medicalização da Educação e da Sociedade
Profa Dra  Rosa Inês Costa Pereira – Diretora Associada da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp

9h30 – 10h30 – Conferência de Abertura: “O Mito da Ciência”
Prof. Dr. João Wanderley Geraldi – Professor Titular de Linguística, Unicamp

Coordenação: Profa Dra Cecilia Azevedo Lima Collares – Profa Associada Psicologia Educacional Unicamp / Fórum Sobre Medicalização da Educação e da Sociedade
10h45 – 12h45 – Simpósio: “Mitos e Verdades  sobre TDAH”
Profa Dra Maria Aparecida Affonso Moysés – Professora Titular de Pediatria, Unicamp / Fórum Sobre Medicalização da Educação e da Sociedade
Profa Dra Virginia Lopez Casariego – Especialista em Pediatria, Docente da Universidad de La Matanza e Universidad de Buenos Aires / Assessora do Instituto Nacional contra la Discriminación, la Xenofobia Y el Racismo  (INADI)   / Forum Infancias
Dra Ligia Moreiras Sena – Doutora em Neurofarmacologia / Autora do Blog “Cientista que virou mãe”

Coordenação: Rosangela Villar – SADA – Secretaria de Saúde de Campinas / Fórum Sobre Medicalização da Educação e da Sociedade
14h30 – 18h00 - Simpósio: “Medicalização, Política, Dessubjetivação”
Profa Dra Carla Biancha Angelucci – Doutora em Psicologia / Docente da Universidade Mackenzie –SP, Presidente do CRP-SP / Fórum Sobre Medicalização da Educação e da Sociedade
Profa Dra Emerson Elias Merhy – Professor Titular de Saúde Coletiva, UFRJ
Profa Dra Gisela Untoiglich – Doutora em Psicologia, Docente da Universidad de Buenos Aires / Forum Infancias
Profa Dra Lygia Viegas – Doutora em Psicologia, Docente da Universidade Federal da Bahia / Fórum Sobre Medicalização da Educação e da Sociedade

Coordenação: Tácito Carderelli da Silveira – Psicanaliista, Mestre e Doutorando em Educação/USP /  Fórum Sobre Medicalização da Educação e da Sociedade

Para realizar sua inscrição, acesse o link: http://foruns.bc.unicamp.br/ e cadastre-se.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Arte e criação: potência de vida

Nunca é demais lembrar a potência de criação que nossas crianças e adolescentes guardam em suas mãos, em seus corações e pensamentos. É preciso, desde sempre, cultivar essa potência através da arte, caminho para a imaginação liberta.
Como já disse Bachelard, o grande filósofo e poeta da imaginação, "um ser privado da função do irreal é um neurótico, tanto como o ser privado da função do real". É preciso, portanto, mais do que nunca articular real e imaginário, concreto e abstrato, fantasia e realidade.
Só assim, quem sabe, seja possível encontrar saídas para a difícil tarefa de viver e morrer.

Registro de trabalhos artísticos desenvolvidos por alunos e professores da Escola COOPEP de Piracicaba.