sexta-feira, 23 de abril de 2010

Pais e Filhos: tempo de crescer

Proporcionar novas alternativas de diálogo entre pais e filhos adolescentes, através do Psicodrama, foi o objetivo de um Encontro interessante, dirigido aos participantes do Programa de Medicina Preventiva da Unimed Piracicaba. Algumas reflexões, partilhadas entre os pais e os filhos presentes, podem ser registradas neste espaço.

Em primeiro lugar é fato que, no mundo contemporâneo, há uma ausência quase completa de tempo para estarmos com nossos filhos, inteiros, integrados no vínculo e espontaneamente. Tomados pelo excesso de pragmatismo e utilitarismo, criamos poucos espaços verdadeiros e importantes de troca afetiva, de diálogo sincero, de compreensão e prazer.

Perdemos, assim, a oportunidade de nos perceber uns aos outros, de tomar contato com nossas próprias necessidades e as dos nossos filhos. Queremos muito falar e ser ouvidos, tanto quanto eles, mas temos dificuldades para escutá-los em seus desejos e cultivar, desta maneira, uma forma de comunicação mais livre, direta e sensata.

É neste sentido que, muitas vezes, tanto pais quanto filhos acabam por dizer "palavras aos ventos”, magoando-se e acusando-se mutuamente, sem conseguirem comunicar as verdadeiras preocupações, sentimentos e expectativas.
Para isso é preciso tempo: tempo cotidiano, tempo interno, tempo de sonho e construção coletiva!

Um comentário:

  1. Isso mesmo! Não temos tempo! O corre-corre, o dia a dia, os problemas, os outros e depois os outros novamente, e aos nossos....? Hã?
    Digo assim, porque é o que vejo, assito diariamente tão próximo de mim . Mas tenho tempo aos meus, Deus me permitiu essa benção! Mesmo assim as coisas não fluem a contento. Sonhamos, planejamos, idealizamos o que, geralmente, não acontece e as frustrações nos caem feito pedra. Mas eu tenho que entender que são as frustrações os motivos que me levam ao amanhã,
    porque eu tenho que estar no amanhã e, comigo, os meus queridos. Então " um galo sozinho não tece a manhã". Acredito nisso. Eu preciso deles, por isso os quero bem.

    Estudei psicodrama quando fiz minha monografia para conclusão do curso de especialização em Critica Literária. Viola Spolin, Augusto Boal entre outros me encantaram.

    Quão maravilhoso é nos aprofundarmos no ser humano. Me encontro lá, depois volto em mim e tento me completar com o que conquistei dele.

    Até que uma ciência futura prove o contrário,o que duvido, o ser humano é maravilhoso.

    ResponderExcluir