sábado, 30 de janeiro de 2010

Filhos: desejos e expectativas dos pais

Muito mais do que percebemos, as expectativas formam um grande vetor de força e fragilidade em nossos relacionamentos, participando ativamente de nossas emoções, ações e fantasias.


Um casal que está prestes a receber um filho, por exemplo, pode imaginá-lo loiro ou moreno, de olhos castanhos ou azuis, do sexo feminino ou masculino. Pode ainda fantasiá-lo sendo sapeca ou bem comportado, tornando-se músico ou engenheiro. As fantasias são muitas e revelam expectativas acerca da criança que ainda nem existe concretamente, mas que vai tomando forma e se corporificando no útero materno.


Quando chega ao mundo, portanto, a criança já está inscrita nos valores da sociedade e nos desejos familiares. Porém, para se tornar um indivíduo saudável com o mínimo de autonomia, é preciso que essa mesma criança se diferencie das expectativas de seus pais e cuidadores, trilhando caminhos que nem sempre são esperados.


Em geral, é muito difícil para nós, adultos, separarmos nossos filhos de nossos próprios desejos. Esperamos que eles sejam exatamente aquilo que fantasiamos, satisfazendo nossas ambições e frustrações. Esperamos que façam escolhas assertivas, com poucos erros e muitos acertos. As vezes até esperamos que eles façam as mesmas escolhas que estamos fazendo para eles... ou melhor, queremos escolher por eles, impondo nossas necessidades de forma sutil, nem sempre declarada.


"Os adultos se acham... eles sempre estão certos!” Esta é uma frase típica de crianças e adolescentes, vivendo conflitos que fazem parte do desenvolvimento da própria identidade.
Talvez fosse interessante ouvir com mais consideração esse tipo de fala, pois ela pode estar indicando nossas próprias dificuldades em aceitar nossos filhos como eles são, saudavelmente diferentes do que imaginávamos...

2 comentários:

  1. Temos a ilusão de concretizar em nossos filhos o sonhos que não realizamos.

    Muitos pais fazem da vida dos filhos uma verdadeira maratona de atividades: aula de balé, natação, canto, piano, guitarra...
    Realmente é importante ter uma sobre o que escolher, mas impor tanto aos filhos pode trazer a colheita de frutos indesejáveis... a frustação de ambos.

    Ser mãe, pai é uma tarefa nada facil, por isso o dialogo com os filhos é muito importante. Precisamos direcioná-los o que é diferente de impor.

    Espero, apesar dos muitos erros que certamente cometerei, ser uma boa mãe.

    ResponderExcluir
  2. Andréia:E como é difícil saber que criamos o nosso filho para alçar vôo e sair do ninho. A verdade é que os filhos crescem na estatura, conhecimento... e os pais crescem na maneira de visualizar e amadurecer com a realidade dos filhos a cada dia.

    Ana Marly

    ResponderExcluir